segunda-feira, 4 de agosto de 2008

filha de peixe, Nemo é.
- qual desses é melhor comprar?
- ai, sei não, pai. tu gosta mesmo disso?
- gosto...
- eu tenho esses daqui, te dou os cds. leva esse aqui então. ai a gente bota pra tocar naquela festa que tu quer fazer.
- tá bom. e tu? não quer ver nenhum CD?
- eu? não.
- e DVD?
- mi!!!!
(tic, tac)
- vou ver se tem Donnie Darko! eu escondi aqui semana passada...
- eu quero um musical... tem algum que preste?
- bem... tu já viu Moulin Rouge?
- não...
- pois compra. se tu não gostar, me dá. ai eu te dou o filme da Piaf.
- eita, a Piaf! ó, filme lindo.
- tem aqui...
- aonde?
- não sei, pai. deve ser ali.
- vou olhar todos!
- tsc... consumismo de família.

mamãe em duas rodas.
- vou contar pra tu rir!
- o que foi?
- comprei uma bicicleta!
- mas, mãe, tu não sabe andar de bike...
- mas vou aprender! vou treinar lá no campo de futebol.
- pois compre capacete, munhequeira, joelheira e cotoveleira. não ande no chão caraquento e use rodinhas. e se prepare pra levar quedão!

platonismo de plantão.
definitivamente, tô me apaixonado pelo House. ohmygod.

no final, a gente só quer um pouco de atenção.
conversa vai, conversa vem, a gente acaba percebendo que, no final, gente é carente. e atenção faz uma diferente danada. principalmente se é de quem a gente gosta. mais engraçado do que querer atenção é não admitir querer atenção. tipo, é fraqueza demais querer alguém? em alguns casos, é preciso muita coragem pra se dispor a ser carente de algo...

boemia e samba.
cada fim de semana que passa, entendo o porquê do samba falar tanto de malandragem e boemia. e nessas horas, eu super deixo o copo de uísque de lado. afinal de contas, fazendo a linha Zeca, a cerveja é a melhor companhia.

"
você pagou com traição
a quem sempre
lhe deu a mão"
beth carvalho

"por que você não vai embora de vez?
porque não me liberta dessa paixão?
mas tem que me prender
tem que seduzir
só pra me deixar loucar por você"
alcione


realidade.
- ai, deixa elas pra elas...
- que nada, tem que pegar o que tiver disponível.
- é, né?
- rapaz, tá complicado o negócio, viu? caso sério...

incentivo à educação.
- vai ter aula não?
- não.
- vamos pro bar?
- ai, demais!
- vou ligar pra minha amiga, ver se ela vem também
(do outro lado da linha)
- ai, assim tu me deixa tentada a faltar a aula!

cara de pau.
- que que tu faz tanto nesse celular?
- falando com uns amigos...
- amigos? amigas? namorados? namoradas?
- amigos mesmo!
- ah tá...
- por que?
- rapaz, não deveria falar tanto. pensei que você era gay.
- hahahaha
- claro. atraente e gente fina? sem dar a mínima pras cantadas que levou até agora...
- que cantadas?
- ai, além de gay ainda é lesado?
- hahaha
- sério.
- todos os homens legais são gays, pra ti?
- sim, até que me provem o contrário.
(...)

4 comentários:

Elda Meireles disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk


amiga, tu me maaaata de orgulho.
ô homem era lesado, fato. mole.
BUT, goooooooorgeous!!

se garantiu demais, ocê.
beijaoo.

PS: Quero mais samba domingo.

Ray disse...

post inspirado hein. :D
AMEI aquele filme de Piaf também (e comprei, claro). lindo em todos os sentidos.
emocionante o modo como tu encoraja tua mãe a aprender a andar de bicicleta. hauhauhauha ;X
e pelo visto tu ainda tá na fase 1 da paixonite pelo House, a minha já é crônica...hehehehe. se prepara pq daqui pra frente só piora.


boa semana pra você.
lembranças aos teus pais. :)

John Kiev disse...

porra. outro nível ou é impressão minha? gostei mesmo.. se posicionou mais. e sobre a carência, disse tudo.

devia me responder mais quando falo ctg ¬¬

beijos sus.

Ronald Luis disse...

Quisera eu ter um pai. No domingo com certeza compraria um DVD pra 'ele'...

Essa é pra sua mãe: Melhor é caminha que andar de bicicleta!

Estou começando a ver House, estou no Episódio 2 da 1ª Temporada. Espero não me apaixonar por ele, talvez pelo seriado...

Vc quer um pouco de atenção ou alguém que te ame de verdade? Tenha paciência, em breve ele aparece...

Não creio que homens legais são gays... Se for assim eu prefiro não estar no seu conceito de legal...

Um abraço.