quarta-feira, 26 de setembro de 2007

na TV-DVD.

após a overdose por "sex and the city", nunca mais tinha me empolgado com alguma série. "lost" e "grey´s anatomy" não contam, porque os conheci quando meu tempo já tinha virado artigo de luxo, raro e valioso. logo, a amufinada básica no sofá para ver TV foi cortada do meu cronograma diário.

eis que Um amigo do trabalho fez a gentileza de me emprestar os cds de uma série tal da qual eu nunca tinha ouvido falar até então. "Queer as Folk". ok. viciei. primeiro, me apaixonei perdidamente por Brian Kenney, o personagem canalhão-gostosão. Como eu sou previsível... além do Brian, me diverti pacas com o desenrolar da série.


para quem também não conhecia a série, "queer as folk" acabou em 1995, teve 5 temporadas - eu acho, e era exibida pela HBO – a fodona da TV, na minha concepção, em produções. é a história de quarto amigos gays, Brian, Emmet, Ted e Michael. óbvio, estereotipados, mas super carismáticos. e fora que a série quebrou tabus trazendo o universo gay de forma tão descontraída e transparente, com suas devidas extrapolações saudáveis em nome da audiência.


apesar de ela ter um ar levemente tosquinho e não ser lá tão bem desenvolvida, ser meio "seca", eu me divirto muito. os 60 minutos de cada episódio passam voando a jato e a cada página nova do seriado, mais eu me empolgo torcendo pelas coisas. quantas reviravoltas. ui.


surpresas.

a vida é cheia de surpresas, não é? clichê, eu sei. mas é que isso deve ser repetido sempre, de tão verdade e recorrente que é! fico impressionada como em 45 minutos podem ser decididos mais do que uma final de campeonato de futebol. pessoas do beleléu aparecem, dão o ar da graça e evaporam. Criaturas que de tão imprevisíveis ou pateticamente previsíveis aparecem para lembrar você de que existem. fantasminhas batem na porta para fazer a visita de "manutenção". dias passam de tediosos para espantosos. nossa... muita coisa em pouco tempo. tudo. ao mesmo tempo. e agora.

2 comentários:

Laís disse...

Ah... então ta, neh? :)
beijo!

Rafael Porto disse...

Uma história que envolve homossexualismo, cheia de reviravoltas?

Hum...
hehehehe