segunda-feira, 1 de outubro de 2007

otimista.
a cada situação bizarra, eu fico abismada como esse ano me tornou uma pessoa mais otimista. telefonemas às 5h34 da manhã são ótimas como terapia, após uma semana densa e tensa emocionalmente. e o melhor conforto é saber que tem pessoas (aliás, pessoa, porque isso é raro) que entendem o que você diz. e além de entender, falam realmente o que pensam querendo o teu bem, mesmo que seja através de críticas. falar é bom. alivia. mas ouvir de quem se confia é extremamente tranquilizador. é como se desse aquela sensação de "ah tá, não tá tão virado ao avesso quanto eu imaginava". i found my wonderwall.

mas, seguindo a teoria do "doce&amargo" do "vanilla sky"... a wonderwall aí só foi doce porque eu encontrei o amargo em vários lugares antes disso. amargo quando você resolve ser decente e tudo que se merecia era continuar sendo canalha. amargo quando você se preocupa, quer cuidar e sofre por não conseguir fazer grande diferença e depois, nada. só a ressaca do que foi ruim resta pra você. amargo quando tudo que você acreditava vai por água abaixo e uma "faxina" é exigida pela tua sanidade mental. amargo quando você vê que só pode tá andando nos cantos errados. amargo quando confiança virou artigo de luxo e a maioria das pessoas passa a ser condescendente, já que ser sincero e espontâneo é perigoso para a hipocrisia. amargo demais.

enfim, é ir atrás do foco e do realmente faz bem.
ainda se pode encontrar o doce nas pessoas que incondionalmente estão do teu lado. e é nelas que eu vejo que vale a pena ser otimista.

Um comentário:

Rafael Porto disse...

Dizem que a gente só conhece o doce depois de provar o amargo...